Lua Vazia - UOL Blog

Lua Vazia


29/03/2008


Arcano

 

 

 

Solidão

janela cega

quinta-essência

rédeas na alucinação

a percepção parcimoniosa

penumbra levemente penetrável

entre frestas de eternidade

nos vultos da parede

festas em falsete

à meia-luz

arcano

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 00h21
[ ] [ envie esta mensagem ]

22/03/2008


Húmus

 

 

 

Frescor

tímido sopro

o natural menestrel

louva-à-deus proclamando

alardeia o tônus da nova estação

no rígido caule despido

em folhas soltas

ida sem volta

sazonal

nutrem a terra ávida por húmus

uma fração de nossas vidas

morrendo aos poucos

numa viagem

outonal

 

 

Zeca Pestana

 

Escrito por Zeca Pestana às 19h08
[ ] [ envie esta mensagem ]

15/03/2008


Pombagira

 

 

 

Degusta o amargo doce do prazer

serve o desejo sem censura

em borbulhante vinho

verde esmeralda

original taça

mamilo

Virgem camélia branca no torço

do lado direito da cabeça

sensível ao toque

escurece

flui mágoa

goza no gozo

sede eterna da alma

com olhos rasos d'água

acalentam o calor de baixo

soberana carne ardente

a vulva vermelha

flor quente

o ente

Ferida em ponta da adaga firme

força de esquerda

nua e crua

retrai

não reconhece a própria volúpia

no pior do claustro

negro abissal

questiona o clarão de luz e fogo

a ternura no jugo maligno

infidelidade do fiel

liberta a tara

no vil sabão que lava tudo

o pecado sujo

evangeliza o pudor

o sexo transcedendo o sexo

divisível como o pão

homem e mulher

fundido

Entoa de propósito o ponto

o nome sem batismo

invoca a fêmea

Pombagira

gira

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 14h54
[ ] [ envie esta mensagem ]

07/03/2008


Lavanda

 

 

 

Evanesceu

de você em mim

no labirinto do desejo

floresce o vapor da paixão

conjunção grafada na pele morna

ao profundo etéreo anil

maliciosamente vai

a leve lavanda

entardeceu

 

 

Zeca Pestana

 

Escrito por Zeca Pestana às 23h15
[ ] [ envie esta mensagem ]

01/03/2008


Sinal

 

 

 

Aquela febril noite de temporal

enxaguou as incertezas

tornou em lama

a cama

 

A cólera impiedosa do altíssimo

o inenarrável conflito

fogo e água

tremeram as certezas

pedi um sinal

vívido

 

Entre as idas brumas úmidas

por poucos segundos

juro que vi

incrível

a criação do arco-íris

 

 

Zeca Pestana

 

Escrito por Zeca Pestana às 19h57
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web: