Lua Vazia - UOL Blog

Lua Vazia


31/05/2008


Mensagem

 

 

 

ao léu

a felicidade

resguardo do tempo

mareja entre a crista da onda

uma mensagem deixada na garrafa

perto do porto ancoradouro

a mesura do destino

matura a idade

ao céu

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 15h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

23/05/2008


Festa

 

 

 

Despistarei a tristeza

procuro o par

número exato

danço freneticamente

por uma noite

dispenso gente chata

pára o pensar

deliciosa irreverência

só nós à sós

descortinando na luz

vira mundo

mundo gira

de nuvem passeando

na manhã

seremos a festa

sem diplomacia barata

iremos brindar ao entardecer

para que a dor brilhe menos amanhã

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 22h40
[ ] [ envie esta mensagem ]

17/05/2008


Chocolate

 

 

 

Carência sem sabor de aventura

afoga na malícia da gula

ao deleite chocolate

sedutoramente

vitaliza

poção da magia

até parece uma bruxaria

atração apetente

hipnotiza

sombras de veludo

na realidade embaçada

longa noite marrom de mil horas

romance escrito em livro

miragem mesclada

narcotiza

livre graciosidade

escorre por entre os dedos

faminta lambida de puro prazer

no creme que derrete

confundem-se

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 23h22
[ ] [ envie esta mensagem ]

10/05/2008


Pimenta

 

 

 

Quente

sou arisco

pavio da dinamite

alimento-me com pimenta

temperadamente

sensível ao toque

chego no ponto de ebulir

rubra insinuação

despudoradamente

o gosto na ponta da língua

Há risco de esquentar um coração

veste vermelha que despida

exibe lasciva intenção

carne ao ponto

vai arder

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 18h17
[ ] [ envie esta mensagem ]

01/05/2008


Cupido

 

 

 

Promessa

subscrita com giz

uma mensagem de amor

não soube suportar a intempérie

o lado lisérgico do cupido

esbarrando forte

apagou

afeto sem resistência ao relento

a arte do pó na prateleira

efêmero suspiro

espargiu

Entre os lados opostos da tal laranja

cada qual dissecou seu quinhão

no peso de meias-verdades

magoou o lúcido solo

quando acidulou

num delírio

diário

 

 

Zeca Pestana

 

 

Escrito por Zeca Pestana às 13h34
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web: